n w    w w w w

baner
Você está aqui | Home Artigos Publicados Artigos Doação de bens em vida garante sucessão tranqüila
large small default
Doação de bens em vida garante sucessão tranqüila

Você trabalhou duro uma vida inteira para constituir o seu patrimônio e vendo sua família crescer começou a pensar com mais cuidado sobre o que deixará para seus herdeiros quando vier a falecer.

Mas, se você quiser ter o prazer pessoal de ver, com seus próprios olhos, o benefício que essa doação ira trazer para a vida dos seus beneficiários, então vale a pena considerar a possibilidade de uma doação em vida. Afinal, não é apenas através de um testamento que você pode dispor de seus bens!

Não é possível doar tudo como você quiser


Antes de qualquer coisa é importante lembrar que as doações que você decidir fazer em vida dizem respeito apenas ao seu patrimônio particular. Mas, o que exatamente é isso? Trata-se da parcela da qual você pode dispor como bem quiser.

Se você é casado em regime de comunhão parcial, ou universal de bens, a metade do patrimônio comum do casal é de direito do seu cônjuge. A essa parcela do patrimônio damos o nome de meação. Cabe destacar que na comunhão parcial, a parcela do patrimônio que era sua antes do casamento não entra na meação, mas integra o patrimônio a ser recebido pelos herdeiros. Por fim, se o regime for separação total de bens, não será preciso "dividir" a metade com o cônjuge.

Agora que você já sabe como compor o seu patrimônio particular, é preciso introduzir dois novos conceitos. O primeiro é o de legítima, que responde por metade do patrimônio e é a parcela que obrigatoriamente deve ser transferida aos chamados herdeiros necessários (descendente, ascendente e cônjuge). A segunda metade é chamada de disponível e pode ser usada para beneficiar quem você quiser.

Por exemplo, se você tem um patrimônio de R$ 500 mil, é casado pelo regime de comunhão universal de bens e tem filhos (herdeiros necessários, pois são descendentes), então só poderá doar livremente 25% do seu patrimônio. Por quê? Simples. Basta entender que 50% são a meação do seu cônjuge, e da sua meação, 50% deve ser reservado aos seus filhos e outros herdeiros necessários (legítima). Desta forma, de um total de R$ 500 mil, você poderá dispor de R$ 125 mil (disponível).

Limitações ao doador e restrições aos donatários


No planejamento sucessório tudo deve ser meticulosamente preparado para que a sua vontade final seja atendida, e que seu patrimônio fique com quem você realmente quer. Portanto, muita atenção ao que impõe o Código Civil no que se refere às limitações e restrições sobre o tema.

publicidade
Banner Unir

O doador, por exemplo, deve reservar parte dos bens ou de sua renda para sua própria subsistência, não pode dispor da parte legítima prejudicando a fração de direito dos herdeiros necessários, ou doar bens para amantes. Lembre-se também que uma vez que o doador tenha decidido beneficiar alguém ele automaticamente deixa de ser o proprietário do bem doado. A reversão desta situação só ocorre em casos extremos.

Quer doar um apartamento para um irmão mais novo, mas ele ainda não tem capacidade para administrar o bem? Fique sabendo que é possível impor restrições ao donatário, como incluir no documento cláusula de reserva de usufruto. Você deixa de ser o dono, mas detém o direito. Ou seja, se este apartamento está alugado, o seu irmão será o dono, mas a renda recebida continua sendo sua. Esta situação pode ser vitalícia ou ter tempo delimitado. Depende de quando você achar melhor transferir o direito ao seu herdeiro.

Outras restrições possíveis são as cláusulas de incomunicabilidade, inalienabilidade e impenhorabilidade. A incomunicabilidade garante que os bens doados não sejam incluídos na partilha em caso de separação ou casamento dos seus filhos. A cláusula de inalienabilidade impede que o bem doado seja vendido durante o período de inalienabilidade, que pode ser parcial ou vitalício. A impenhorabilidade impede que os credores tenham acesso ao bem, mas é possível que um juiz derrube esta determinação. Por fim, há ainda a reversão dos bens, pois se o herdeiro falecer antes de você, o bem volta a ser seu.

Doação como forma de beneficiar um dos herdeiros


Vamos assumir que uma pessoa seja casada em comunhão universal de bens, tenha três filhos, sendo um de um relacionamento do passado, mas com o qual mantém convívio tão próximo quando dos demais.

Ao falecer, se não houver o planejamento, não há separação entre o que é legítima ou disponível, e tudo vai para os herdeiros. Sendo assim, dos 50% de que pode dispor na meação, haverá divisão entre os três filhos (cada um com 16,67%). Caso sua esposa venha a falecer, a sua metade será dividida apenas entre os dois filhos (cada um com 25%). Com isto, enquanto o filho só do marido fica com 16,67% da herança, os outros dois abocanham 41,67% cada.

Por esta razão o planejamento se torna necessário. Do seu patrimônio (50% do patrimônio do casal) a sua legítima (25%) necessariamente será dividida entre os três filhos (8,33% para cada), mas a parcela disponível (25%) poderá ir para aquele seu filho fora do casamento. Com isto, considerando que os outros dois já possuem 25% da meação da mãe, todos receberão igualmente 33,33%.

Porém, é importante documentar que a doação está saindo da sua disponível, caso contrário, será considerada antecipação de legítima, pois trata-se de doação para herdeiros necessários. E neste caso, você deve respeitar o quinhão de cada um. Resumindo, da sua disponível você pode, livremente, doar um apartamento de R$ 100 mil para um filho e outro de R$ 150 mil para outro. Porém, no caso da parcela referente à legítima eles têm o direito a partes iguais.

Colação: você já ouviu este termo?


Portanto, quando há antecipação de legítima é preciso cuidado para que este valor não supere a fração do outro. E se aparecerem herdeiros necessários no futuro? Como um novo filho? Aí é preciso trazer à colação os bens. Mas o que é isto? Colação é a obrigação de conferir as doações e dotes recebidos em vida, de forma a garantir a igualdade na divisão de legítima entre os herdeiros necessários.

A colação será dispensada caso a doação em vida tenha sido determinada expressamente pelo doador passando o herdeiro a ser um herdeiro necessário simultaneamente legatário. Em outras palavras, além da condição de herdeiro necessário é beneficiado por legado.

O tema, embora seja de fácil compreensão, acaba se tornando um pouco trabalhoso ao passo que você precisa ter tudo muito bem planejado para não desfavorecer ninguém ao doar os seus bens.

publicidade

 

Comments  

 
#1 2010-06-29 23:09
doação
Quote
 
 
#2 2011-05-16 17:24
Boa tarde.
Estou querendo tirar uma dúvida, meu pai doou uma casa para meu irmão e uma apartamento para ele e minha mãe, mas ele tem mais 6 filhos. Isso é legal ou alguns dos filhos pode questionar?
Obrigado e tenha uma ótima semana.
Quote
 
 
#3 2011-05-24 15:17
Boa tarde, meus pais querem fazer a doação da casa deles para mim , mas tenho mais 6 irmãos eles podem fazer uma doação em vida sem ter medo de posteriormente ao falecimento deles meus irmãos questionarem sobre esta doação???

Ficarei no aguardo de sua resposta.
Quote
 
 
#4 2011-06-06 13:46
Boa tarde. A tia de minha esposa tem dois imoveis e quer doar para ela. Gostaria de saber como proceder, tendo em vista que ela é professora aposentada (80 anos), não tem filhos e seus pais já faleceram, porém convive com uma pessoa a mais de 15 anos e esta pessoa tem 5 filhos de um casamento passado(adultos ). Os dois imoveis foram comprados com seu dinheiro, porém a compra de um deles foi durante a convivência com o companheiro.Ela pode doar tudo ou o companheiro e os filhos dele tem direito. Grato André
Quote
 
 
#5 2011-06-08 13:53
olá, boa tarde, a avó de minha filha, quer fazer uma doação de uma casa que ela comprou. so que ela tem 6 filhos com netos. O que é necessário que ela faça para que os filhos não venham a requerer que os respectivos netos tenham parte nessa doação? E qual e cmo o documento que deve ser feito? Sem mais para o momento, grato no aguardo de sua resposta...
Quote
 
 
#6 2011-07-15 18:04
Minha mãe faleceu e doou o apto para a neta dela em vidacom usos e frutos dela registrada no cartório, posso impugnar o apto sendo herdeiro da mesma
aguardo um retorno
Quote
 
 
#7 2011-07-31 19:41
Minha avó ainda em vida repartiu sua terra e registrou a parte de cada um em cartório. Ela morreu no início do ano, mas até agora minha mãe não conseguiu usar a parte dela. Ela é deficiente, não tem renda mas até agora não conseguiu receber a terra, apesar de ter o registro da sua parte. O que ela deve fazer para requerer o uso da terra alugando pasto, ou algo que lhe garanta uma renda?
Quote
 
 
#8 2011-08-04 19:11
Construi minha casa em cima da casa de minha mãe,moro com ela e por isso ela achou por bem passar em meu nome esta casa.Tenho duas irmãs de maior idade,ela pode fazer esta doação sem ter medo de posteriormente ao falecimento elas virem a questionar esta doação?.Como pode ser feito esta doação?
Tenho um terreno na praia posso em vez de aceitar a doação trocar a casa pelo terreno.Qual procedimento mais correto e como pode ser feito?
Gostaria de saber o valor aproximado destes procedimentos.Obrigada pela atenção
Quote
 
 
#9 2011-08-04 20:47
Meu pai vai fazer doação em vida quem faz , aonde deve ir e que documento são necessarios?
grata
Quote
 
 
#10 2011-08-08 11:42
Bom dia! Por favor, preciso tirar uma dúvida. Minha mãe está comprando um imóvel. Como herdeiras legítimas somos apenas eu e minha irmã. Minha dúvida é quanto a situação de minha irmã que vive maritalmente e seu marido tem 3 filhos do primeiro casamento. Para garantirmos que eles não terão direito a esta casa como devemos proceder ao passarmos a escritura? É possível acrescentarmos na escritura que este imóvel é doação em vida de minha mãe para garantirmos total segurança quanto a este imóvel?
Fico no aguardo de uma resposta brevemente. Obrigada
Quote
 

Add comment

Security code
Refresh